segunda-feira, 12 de agosto de 2013

MONTE ALEGRE DO SUL - POUSADA DA FAZENDA

O Sol nascendo sobre a Fazenda Santa Isabel
Estive juntamente com os amigos do GRIFOO, entre os dias 02 e 04 de agosto, visitando a simpática cidade de Monte Alegre do Sul - SP, localizada a pouco mais de 70 km de Campinas, e entre as cidades de Amparo e Serra Negra.
Esta foi uma viagem diferente - na verdade foi a primeira vez que nossas esposas e familiares nos acompanharam - e acho apropriado comentar antes como ela surgiu.
Ha alguns meses fizemos nossas proposições de roteiros no grupo e um destes foi para a Pousada da Fazenda, localizada neste município.Nosso amigo Luciano Monferrari já conhecia o local e também seu proprietário, portanto ficou encarregado de levantar as informações sobre esta aventura.
Mas temos também uma piada interna no grupo criada  pelo amigo Dú Nyari e que chamamos de "Cartão Free-Birding", consiste em realizarmos programas familiares e com isto aumentarmos o nosso saldo de passarinhadas.Quando alguém esta com o saldo do cartão Free-Birding baixo, diz que não vai participar de alguma saída e que vai ficar com a família naquele final de semana... Coisas de passarinheiros!
Mas voltando a viagem... Quando o Luciano veio com a proposta enviada pela pousada, tivemos uma surpresa, o pacote contemplava um valor especial para casais e nesta época a mesma contava com uma série de atrações para pessoas normais (não apenas passarinheiros).E assim nasceu esta aventura e também uma forma de recarregar nossos free-birding´s!
Brincadeiras a parte, para mim é sempre muito prazeroso viajar com minha família, mas em programas como as passarinhadas sei que eles não se sentem a vontade... Ficar horas no meio do mato, atrás de alguma ave é demais para eles!

A POUSADA DA FAZENDA - FAZENDA SANTA ISABEL

Nosso grupo acabou sendo fechado em 15 pessoas, todos casais e algum familiar... Bem, nem todos. O Luciano acabou tendo que dividir o quarto com o famigerado Gustavo (aquele das "histórias" incríveis no parque do Zizo), mas isto só aumentou a diversão da viagem com a quantidade de piadas e causos que criaram!

Vista geral do nosso bloco de Chalés
Ohhh Julieta, por acaso é o Rouxinol que ouço cantar.
Bom...dá licença Julieta que tenho que correr para fotografa-lo...rsrsrsrsrs
Desculpem, eu não resisti a piada.

Vista interna e bagunçada de nosso chalé.

Chegamos na sexta-feira a tarde e após nos acomodarmos em nossos chalés, saímos rapidamente em direção a Cachoeira das Andorinhas. No local reúnem-se dezenas de aves de duas espécies, o Taperuçu-velho e o Taperuçu-de-coleira. Para um observador desavisado tratam-se de grandes Andorinhas (talvez por isto seja conhecida como Cachoeira das Andorinhas) e é isto mesmo que são...rsrsrsrs.
Mas imaginem uma Andorinha enorme e ainda chegando em bandos, voando tão rápido que só as vemos mesmo quando pousam, agarradas nas pedras da cachoeira, local onde dormem todas agrupadas. Um verdadeiro espetáculo da Natureza... Pena que só façam isto nos últimos raios do crepúsculo. Mas em posse de nossas mega-blaster-super lanternas (vindas da China) conseguimos iluminar o paredão, o suficiente para conseguirmos focar e fazer alguns cliques (sempre com Flash).

Taperuçu de Coleira

Taperuçu- Velho
Longa exposição e luz de lanterna foram necessários para realizar esta foto. Estavam totalmente no escuro.

Alguns minutos depois de nossa chegada, recebemos a visita do mítico Luis Gonzaga Truzzi, ou simplesmente Zaga, proprietário da Pousada e da fazenda, mas acima de tudo uma pessoa muito especial, que nos recebeu com muita gentileza e educação.
Sempre digo que nestas ocasiões, termos o Prazer de conhecer pessoas assim já fazem valer a viagem!
Fomos informados pelo Zaga que na véspera um Mocho-Diabo havia vocalizado em uma mata dentro da pousada, e portanto partimos direto dali para o local, mas não conseguimos vê-lo, apenas respondeu ao play-back, sem dar as caras.


O Mocho-Diabo não deu as caras mas outros habitantes da mata resolveram posar para as fotos

Após um restaurador banho (com direito a lareira no chalé) fomos todos ao restaurante para darmos início a um ritual que duraria todo o final de semana... O "Ritual da Engorda"! Meu Deus... Quanta comida, e ainda MORANGOS, muitos mesmo.

Sintam o clima romântico em frente a lareira...
Gastamos duas edições de domingo da Estadão, mas conseguimos acender.

Acho que esqueci de citar isto, a fazenda possui uma plantação de morangos (duas variedades), e nesta época é feita a colheita e também o Festival do Morango na cidade, durante o mês de julho.
Comida saborosa e simples, mas com aquele tempero de quem gosta do que faz, aliás o atendimento é sempre cordial por parte de todos os funcionários.


Após o jantar saímos em direção a uma pequena torre que existe ao lado do restaurante, quando alguém disse:  "Será que tem alguma Suindara nesta torre?"
Segundos depois avistamos a primeira e após um rápido play-back, a segunda (talvez um casal), que pousaram apenas alguns segundos e depois ficaram voando sobre nós.Mais uma vez as lanternas Xing-ling fizeram a diferença e nossas esposas - que não estavam fotografando- nos auxiliaram na iluminação. Deu para salvar uma foto, mas esta valeu a pena.

Suindara (Tyto Alba)

Como não estava muito frio resolvemos nos encontrar em frente a piscina, para tomarmos um vinho e aproveitarmos para conversar sobre os rumos de nosso grupo, nossas novas proposições e mudanças necessárias... Tá bom! Só saiu piadas e histórias incríveis, além de alguns videos engraçados do You Tube (lá tem internet free em toda a pousada).

Altas discussões...
Em pé da esquerda para a direita: Daniel, Rafaela , Danilo e Dú Nyari
Sentados: Mônica, Pompeo, Luciano e Gustavo
Foto; Daniel  Teixeira

Dormir, por que no sábado sairíamos cedo, guiados pelo Zaga e a procura do famigerado Estalador (Corythopis delalandi), uma ave esguia e que se tornou a obsessão momentânea do Luciano.

SÁBADO - O INSTITUTO APTA

Saímos umas 6:30 hs, antes do Café da manhã, em direção a uma trilha onde se avistavam facilmente um casal de Murucututu de Barriga Amarela, mas que já ha algum tempo não tem aparecido (será que tem algo a ver com a chegada do Mocho-Diabo?) e que desta vez também não apareceu. O jeito foi fotografar algumas Saracuras do Mato que ciscavam nas plantações de morangos. Depois aproveitamos e colhemos alguns morangos que foram degustados na hora.
Ficamos alí algum tempo até sermos chamados pelo Zaga para o café da manhã (alguns dizem que ele ficou preocupado com o destino de sua plantação de morangos... Maldade deste povo!)

Saracura do Mato


A prova do crime contra os inofensivos morangos...

Como acabar com uma plantação de morangos com apenas 4 pessoas...
Foto: Daniel Teixeira

Novamente uma surpresa... Que café da manhã! Nem vou ficar dando detalhes, vejam as fotos.

O salão onde são servidas as refeições

Delicia!!!!
Antes da saída, registramos algumas espécies em um comedouro, pertinho do restaurante. E recebemos a companhia do Ângelo, amigo do Zaga e um grande Observador de Aves desta cidade, que ficou conosco até a hora do almoço.

Periquito do encontro amarelo

Idem

Tico-tico rei cinza

Foto: Dú Nyari 
Foto: Daniel Teixeira

Saímos todos - inclusive os familiares - em direção ao Instituto Apta , um local onde existe uma pequena mata, margeada por uma estrada de terra batida, e onde se avistaram diversas espécies interessantes, além do já citado Estalador.



Saímos da trilha principal em direção a uma pequena subida, local onde o Zaga havia avistado anteriormente esta espécie.O Luciano parecia funcionário em dia de pagamento esperando o holerit...

Em busca do Estalador
Foto: Dú Nyari

Soltamos o play-back e logo tivemos resposta. Todo mundo quieto e logo alguém via ele se movendo entre as folhas do chão e os arbustos. E foi só isto!!! Ohhhh bichinho chato! Assumo publicamente que tenho a maior birra deste tipo de ave, qualquer coisa que tenha "Rapidinho", "Pula-pula", "Ligeirinho","Arredio" e outras destas virtudes em seus nomes, já entrou para a minha lista negra.E o Luciano não conseguiu nada desta vez...

A única foto que consegui fazer do Estalador

Bom... Seguimos na trilha e tivemos varias surpresas. Entre elas, aquela que mais me emocionou foi a aparição do Gavião Pega-Macaco, que voou calmamente sobre nossas cabeças.

Tororó

Gavião-pega-macaco

Tinha gente perguntando se éramos do Exército...

A presença feminina (carregando peso até...) nesta expedição.

Barbudo-rajado

Fizemos toda a trilha acompanhados por nossas esposas e filhos, uma experiência muito gratificante.

Peterson e seu filho Petri, participando integralmente de nossa expedição

Olha o Gavião-pega-macaco!!!
Foto: Dú Nyari

Em pé, da esquerda para a direita: Zaga, Rafaela, Dú, Joana, Gustavo, Jacqueline, Mônica, Pompeo e Angelo
Abaixados: Daniel, Danilo, Peterson, Erika, Petri e Luciano (falando com alguém ao celular)

Deixa que eu faço o play-back...

De volta a pousada fomos direto ao restaurante, onde existe um quiosque. Neste local são colocados diversos bebedouros que atraem, entre outras coisas, diversas espécies de Beija-flores, inclusive uma que se tornou a segunda obsessão do Luciano: o Beija-flor de bochecha azul.
Gente... Eu já havia fotografado o Estrelinha-Ametista antes, mas foi em uma rápida aparição lá na Reserva Guainumbi, mas alí a coisa é punk! Eles andam (ou voam) em bando, trombam com a gente e quebram o maior pau com outras espécies.

Estrelinha-Ametista

Beija-flor de peito azul

Besourinho do bico-vermelho

Bico-reto de peito branco, Orelha violeta, Besourinho e Preto, entre outras espécies desfilavam por nós, fazendo com que nem pensássemos mais em almoçar... Bom, se você acreditou nisto é porque não nos conhece ainda.
Almoço servido ,todos comendo com um olho no prato (o Gustavo realmente furta a comida do prato da gente) e outro nos bebedouros, quando o Zaga grita: "Olha ele aí, o Bochecha azul chegou!"
Teve gente que vinha vindo com o prato e largou ele no chão mesmo, saiu correndo em direção a uma moita de flor de São João, local onde ele costumava pousar.

Beija-flor de bochecha azul

O Luciano chegava calmamente da mesa, lutando bravamente para equilibrar o seu prato de comida versão pedreiro, quando se deu conta do que aconteceu e largou tudo para se unir a turma. Foi uma cena muito engraçada... Ele estava tão ansioso que não conseguia enxergar a ave, todos fotografando e ele com aquela cara de desespero "Cadê? Cadê?" Mas logo o viu e CONSEGUIU fotografa-lo. Ufaaaaa!
Agora conseguiríamos almoçar em paz e seguir rumo a nova etapa de nossa viagem.

O ENCONTRO COM O PICA-PAU REI...

4 comentários:

  1. Muito bom !

    Dú Nyari

    ResponderExcluir
  2. Olá Pompeo!!!
    Já puxei o Ogro aqui de lado para ver mais um lugar gostoso, perto e bonito!!!
    Nem preciso comentar das maravilhosas fotos, né??
    Olha, nunca vi tanto tripé junto!!rsrs...
    Um grande abraço!
    Marcia

    ResponderExcluir
  3. Sensacional! O Zaga prima por uma bela recepção! Certamente dias inesquecíveis.

    ResponderExcluir